Everest: o grande salto

Published

on

Para você que pensa grande, sonha alto e nunca olha para baixo eis aqui o programa dos sonhos. Que tal pular de paraquedas do Everest? Sim, senhores, skydive no topo do mundo, a um passo do céu, a exatos 8.848 metros de altura, onde o vento não só faz a curva mas te tira da reta num piscar de olhos. Radicalismo selvagem, adrenalina na veia, aventura extremista, enfim, muitos adjetivos hiperbólicos para tentar explicar a grandeza desse programinha (para dizer o mínimo) corajoso.Homem saltando do Everest

Escalar a maior das montanhas da Terra já não basta, fincar bandeira em seu pico não é tão novidade assim, então fazer o quê? Se jogar. Lá de cima. Aliás, bem mais do que lá de cima. O avião te leva a 10 mil metros acima do nível do mar (ou seja, quase em altitude de cruzeiro) e quando o Everest fica bem pequenininho é a hora de saltar. Deve ser, de fato, da mais libertadora das experiências mundanas, que já começa em terra firme lá embaixo, no Nepal.

Homem de paraquedas

A partir da capital Kathmandu pegamos um teco-teco até o vilarejo de Lukla, onde ficaremos cinco dias acampados numa base a mais ou menos 4 mil metros até nos acostumarmos com o ar rarefeito. Vencido o primeiro desafio, à base de cerveja de painço e escaladas tortuosas, chegamos até a pista onde faremos o embarque. De lá, voar, voar, subir, subir…

Avião com o Everest ao fundo

E antes do grande salto (duplo, claro, com instrutores infalíveis) cada passageiro ganha o kit: um mochila-tanque de oxigênio e, claro, o paraquedas. Tudo pronto, todos a postos, agora é só mergulhar no céu! Você fora da biosfera, solto na atmosfera. Quase estrela, livre no universo.

Homens se preparando para saltar

Homens saltando

Homem se preparando para pousar

 

Continue Reading
Click to comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Copyright 2019 - STB - Todos os direitos reservados