Afinal, como é aprender inglês durante o intercâmbio?

Se eu tivesse que responder a pergunta que dá título a este post com uma única frase, seria: "totalmente diferente de TUDO o que você já tentou fazer antes". Meu caso era grave: duas escolas famosas e professor particular, mas nunca consegui um resultado efetivo (e juro que sempre fui o tipo de aluna esforçada). Hoje entendo que a culpa foi da falta de prática. Eu saía da aula e... PORTUGUÊS! Resolvi escrever sobre esse assunto para tentar explicar um pouco sobre as diferenças do aprendizado quando se está morando fora.

- Como funciona?
É claro que cada escola tem um ritmo diferente. Mas até agora, pelas duas em que passei (a EC New York e a ELS), pude notar que ambas funcionam de um jeito parecido. As aulas são separadas por matérias e envolvem sempre gramática, leitura, conversação e vocabulário. A frequência é você que decide (tipo se vai estudar só de manhã ou período integral), mas a grande maioria exige a presença do aluno durante os 5 dias úteis da semana.

- Qual é o meu nível?
Isso você só vai saber quando estiver viajando. Logo no primeiro dia, rolam provas para definir com qual turma você deverá estudar. Não fique tenso: é tudo bem simples, como uma prova do colégio mesmo. A única parte mais chata desse teste é a conversação. Você não conhece com quem está falando, pode ficar um pouco tímido ao errar na formulação das frases... Mas quer saber? Na hora, aparece uma vontade tão grande de se jogar na experiência, que tudo acaba sendo bem mais tranquilo!

- Como é a rotina?
Esqueça as viagens de férias que você já fez antes. O objetivo aqui, além de passear e conhecer lugares novos (por favor! hahaha), também é estudar! No meu caso, a ficha demorou um pouquinho pra cair, mas quando percebi que estava entrando numa nova rotina, tudo fez sentido. É demais olhar para o país por uma outra perspectiva, do lado de alguém que realmente vive aquilo 24hrs por dia.

- Como são os professores?
Isso depende, mas no geral, muito legais e engraçados! hahaha Eles sabem que você não domina o idioma, mas simplesmente ignoram isso. No começo, pode parecer estranho que o cara fique ali, explicando tudo em inglês, mas com o tempo você percebe que essa é uma das maiores diferenças: ele não sabe falar português. Ou seja: nem adianta tentar perguntar em português! hahaha Resultado: de uma forma ou de outra, você VAI aprender inglês só de ouvir ele falar!

- Como são os colegas de classe?
Muito diferentes entre si e de várias partes do mundo. Além disso, é demais estar ao lado de gente que quer MESMO aprender.

- O que rola fora da sala de aula?
Muita coisa! hahaha Agora falando sério: é aí que a mágica acontece. Nos restaurantes, lojas, passeios, conversas com os amigos... É durante a sua rotina diária que o inglês vai aparecendo, aparecendo, APARECENDO! Ok, vou dar um exemplo do que rolou comigo. Sou jornalista e apaixonada por cinema. Seria impossível passar 6 meses sem ir, pelo menos uma vez, assistir algum lançamento. Conclusão: me vi, pela primeira vez na vida, entendendo um filme sem legendas. Sem querer, as coisas corriqueiras fazem o que antes parecia impossível ser totalmente normal. Aprender e viver o que você aprendeu, é a melhor parte do intercâmbio! =)

Espero que tenham gostado do post! Volto na semana que vem com um resumo de tudo o que rolou no meu quarto mês aqui em NY!
Beijos, beijos
www.karolpinheiro.com.br

Karol Pinheiro

Karol Pinheiro

Karol Pinheiro é jornalista, trabalhou na revista CAPRICHO por 8 anos, ama a Disney e acredita no poder do destino. Gosta de escrever sobre tudo o tempo todo e acha que, um dia, vai poder conhecer todos os lugares do mundo através do teletransporte. Por enquanto, vai de avião mesmo para a Big Apple viver todas as dores e amores do intercâmbio por seis longos e maravilhosos meses.

Deixe um comentário

BUSCAR RESULTADOS PARA: